terça-feira, 29 de março de 2011

Primeira Instrução do A.'.M.'.

Esteio, 05 de agosto de 2010

Grande Oriente do Rio Grande do Sul
Loja Luz, Vida e Amor

Primeira Instrução

Venerável Mestre
Irmão Primeiro Vigilante
Irmão Segundo Vigilante
Caros Irmãos

A Primeira Instrução nos faz ver a riqueza do simbolismo utilizada na maçonaria.
Nos mostra que, como na antiguidade, a maçonaria utilizava muitos símbolos para ocultar dos profanos seus segredos, revelando somente aos escolhidos seus ensinamentos.
É nos dito que, sendo o primeiro grau, o alicerce da filosofia simbólica, compete ao Apr.’. Maçom o trabalho de desbastar a pedra bruta, transformando-a em pedra polida, que nada mais é que, através do ensinamento, ocorrer nossa transformação, isto é furtarmos de nossos vícios e defeitos para nos aperfeiçoar moralmente.
Para isso usamos o Maço e o Cinzel, para depois de transformada a Pedra Bruta em Pedra Polida, ou seja, depois de nossa transformação, poder trocar por outras ferramentas para galgar a escada hierárquica da maçonaria.
Podemos entender que o Maço e o Cinzel servem para derrubar nossos obstáculos e superar nossas dificuldades.
Entendemos também que o Cinzel sem o Maço, seria um instrumento praticamente nulo, devendo ser usados em conjunto para o trabalho ser produzido com melhor efeito.
No Painel da Loja encontramos todos os símbolos que um Apr.’. Maçom deve conhecer.
A Loja deve ter um formato quadrilongo, com comprimento do Oriente ao Ocidente, com largura do Norte ao Sul e altura do Zênite ao Nadir (da Terra ao Céu). Simbolizando a universalidade da instituição, mostrando também que a caridade não deve ter limites.
Sua orientação é do Oriente ao Ocidente por vários motivos: o Sol, a glória maior do G.’.A.’.D.’.U.’. nasce no Oriente e finda no Ocidente; do Oriente também vem a civilização e a ciência e por último, a doutrina do Amor e da Fraternidade, bem como o cumprimento das Leis também vieram do Oriente.
O sustentáculo da Loja é feito por três Colunas, a Sabedoria, a Força e a Beleza. A Sabedoria deve nos orientar no caminho da vida, a Força deve nos animar a sustentar nossas vicissitudes e a Beleza deve adornar nossas ações, nosso caráter e nosso espírito. Estas colunas também representam Salomão pela Sabedoria, Hiram pela Força e Hiram Abif pela beleza. Sabedoria, Força e Beleza também são conceitos de virtudes morais que todo o homem deve ter, principalmente o maçom, representando a Fé, a Esperança e a Caridade.
O Teto da Loja Maçônica representa a Abóbada Celeste com seus vários graus de iluminação.
No interior da Loja, encontramos Ornamentos, Paramentos e Jóias.
Ornamentos:
O Pavimento Mosaico; seus quadrados pretos e brancos representam o antagonismo de todas as coisas da natureza, onde tudo reside em harmonia. Tudo foi criado para viver em perfeita harmonia, não devemos olhar as diversidades como as cores e raças, o antagonismo das religiões e crenças tudo deve nos levar a ver somente que foram criadas para viver na mais íntima e perfeita Fraternidade.
A Orla Dentada; representa com seus múltiplos dentes, os Planetas que gravitam em torno do Sol, os povos reunidos em volta de um chefe, os filhos reunidos em volta dos pais, os Maçons unidos e reunidos no seio da Loja para aprenderem princípios morais e espalhá-los aos que nos cercam, independentes de maçons ou profanos.
As Grandes Luzes da Loja são representadas pelo Livro das Leis, o Compasso e o Esquadro. O Livro das Leis representa o código moral, a Fé que cada um tem e segue, comumente representado pela Bíblia para os cristãos, o Alcorão, o Torá, enfim, todo e qualquer Código Moral usado por cada um de nós.
O Compasso e o Esquadro, mostrados sempre unidos em Loja, representam a medida justa que deve guiar nossas ações, que não podem se afastar da justiça e da retidão de nossos atos.
As pontas do Compasso, ocultas pelo Esquadro significa que o Apr.’. Maçom, trabalhando na Pedra Bruta, não deve fazer uso daquele enquanto sua obra não estiver perfeitamente acabada, polida e esquadrejada.
As Jóias da Loja são três móveis e três fixas.
As Jóias móveis são o Esquadro, o Nível e o Prumo, são chamadas de móveis pois são transferidas a cada mandato para os novos Administradores, o Venerável, o Primeiro Vigilante e o Segundo Vigilante.
Esquadro - usado pelo Venerável Mestre, representa a retidão que o mesmo deverá ter em seus trabalhos e sentimentos perante seus obreiros em Loja.
Nível - Decorativo do Primeiro Vigilante, tem em sua simbologia o Direito Natural, que é a base para a igualdade social e que dele derivam todos os Direitos.
Prumo - Orna o Segundo Vigilante e simboliza o desapego ao interesse ou à afeição no trato com os obreiros.
As jóias fixas são a Prancheta da Loja, a Pedra Bruta e a Pedra Polida.
A Prancheta da Loja serve para o Mestre desenhar e traçar o caminho que o Apr.’. Maçom deve trilhar para seu aperfeiçoamento. A Prancheta é também a chave do Alfabeto Maçônico.
A Pedra Bruta tem como finalidade o trabalho do Apr.’. desbastando-a, talhando-a até que seja julgada Polida pelos Mestres da Loja.
A Pedra Bruta é o material retirado “in natura” da jazida, até que, pelo trabalho constante do obreiro, fique na forma ideal para poder ser usada na construção do edifício. Representa o estado bruto, áspero e despolido até que pelo cuidado e instrução dos Mestres torne-se um ente Culto, capaz de fazer parte da Sociedade.
A Pedra Polida ou Cúbica é o material finalmente pronto, trabalhado, de linhas e ângulos retos, que o Compasso e o Esquadro mostram que foi talhada de acordo com as exigências. Representa o saber do homem no fim da vida, quando o aplicou em atos de piedade e virtude, verificado pelo Esquadro da Palavra Divina e pelo Compasso da consciência esclarecida.
São fixas por permanecer imóveis em Loja, como um Código de Moral, aberto para a compreensão de todos os Maçons.

Marcos Antonio Peruzzolo
Aprendiz Maçom

Um comentário: